sábado, 15 de dezembro de 2012

DESVAIRADO

DESVAIRADO,

CONSUMIDO,

APÓS LONGA JORNADA,

TURBULENTA, DESLUSTRADA

E DESAJUSTADA,

NA PROCURA DO OCULTO,

TENTO ENCONTRAR A OBJECÇÃO,

A RAZÃO DO SENTIR E DAS COISAS,

A HARMONIA, A PAZ E O SOSSEGO,

NUM GRAU QUASE INTANGÍVEL,

ENVOLVENDO-ME NO MEU EU,

NA SOLIDÃO TONIFICADORA,

NA PUREZA DO DOCE SILÊNCIO,

NA SUA ACATADA FRESCURA,

À DESCOBERTA DO AMOR E DA PAZ...


ESTENDO O MEU OLHAR,

PARA O ALÉM, PARA O INFINITO,

ABRO AS PORTAS DO CORAÇÃO,

PROJECTO A MENTE,

SOLTO A MINHA ALMA

PARA QUE, LIVRE,

BEM LIVRE,

RUMA ATÉ AO INFINITO,

ENTRE NAS CAMADAS ETÉREAS

E DESFRUA DO BELO E DO PERFEITO,

DO SAGRADO E DA PUDICÍCIA DA VERDADE...



PROSA

2 comentários:

Telma Faria disse...

Vim visitar este seu espaço tão agradável e sentido!Gostei muito! Telma Faria

António Pais da Rosa disse...

Telma Maria
bem haja pela sua visita. É um espaço que dedico a todos os bons e
mansos de coração para os tentar ajudar a serem entes queridos, ávidos
de palavras,
envolvendo muita ternura e amor. Se falhar na intenção de ser
perfeito ou mais perfeito perdoem-me pois a intenção era só e só dessa.